sábado, janeiro 05, 2008

Pastinaca













Quantas vezes ouviram falar na importância de preservar a biodiversidade, as espécies autóctones, as tradições da terra, etc…

A pastinaca é sem dúvida um excelente exemplo da forma como desprezamos o que de melhor a nossa terra nos dá. Por outro lado encontramos uma óptima oportunidade de recuperar uma cultura que nos oferece um legume fantástico, tanto pelo seu aroma e sabor, como pelas suas propriedades. É nesse sentido que a Raízes tem introduzido a pastinaca na variedade de hortícolas que tem disponível e promovido a sua inclusão na cozinha dos nossos clientes.

Pastinaca (Pastinaca sativa), também conhecida por cherovia, cherivia, cheruvia ou pastinaga.
A pastinaca é uma planta pertencente à família da Apiaceae, plantas Angiospérmicas (plantas com flor). A esta família pertecem ainda a cenoura, a salsa, o aipo, os coentros, o funcho e endro ou aneto entre outras.

Quem descobre a pastinaca, rapidamente se apaixona por este legume, de fácil preparação e simples utilização na cozinha, desde sopa, saladas, legumes salteados, frita, puré, etc…
O seu intenso sabor, muito agradável, passeia-se pelos paladares da salsa e cenoura, embora mais intenso e há quem diga que o seu aroma tem algo parecido com o cheiro a coco.

O Cultivo da pastinaca remota aos tempos da Eurásia, antes do uso da batata, sendo que esta ocupava o seu lugar. É curioso analisarmos este facto, pois a introdução da batata no Sex. XVI pelos espanhóis na Europa veio retirar progressivamente espaço à pastinaca na nossa alimentação. A esse facto, não será seguramente alheio, o facto de a batata ser uma cultura mais produtiva.


Em termos nutritivos a pastinaca acaba por ser mais rica em vitaminas e sais minerais do que a cenoura, sendo que se destaca essencialmente pela quantidade de potássio, fósforo, vitamina A, vitamina B e ainda algum valor calórico.

Tradicionalmente a pastinaca em Portugal é cultivada na zona da Serra da Estrela, sendo contudo possível o seu cultivo noutras zonas do país. Esta planta no entanto não cresce em climas quentes e necessita da geada para desenvolver o seu sabor. Pelo tipo de raiz que é, a pastinaca prefere terrenos arenosos e/ou limosos. Terrenos argilosos ou pedregosos dificultam o seu crescimento, provocando raízes deformadas e de pequeno tamanho.

Finalmente deixamos o desafio de experimentar. Teremos todo o gosto em apresentar a pastinaca e ensinar como a introduzir na sua cozinha diariamente. Estará assim a contribuir para uma alimentação mais variada e rica, para além da preservação da biodiversidade.

Escusado será dizer que tudo só faz sentido se for de Agricultura Biológica.

2 comentários:

Fátima disse...

Só um pequeno pormenor: pastinaca não é legume. Nem a pastinaca, nem a cenoura, nem a couve, nem a alface, nem espinafre. Legume é vagem (antiga família das Leguminosas, actualmente Fabaceas), logo é feijão, ervilha, fava, tremoço, soja.

Cristina Seabra disse...

É em inglês que o termo "legumes" corresponde às plantas Leguminosas (família Fabaceae, que inclui o grão de bico, o tremoço, os feijões, as lentilhas, favas, ervilhas, etc). Em Portugal o termo aplica-se e é usado para designar várias plantas não relacionadas filogeneticamente, isto é, podem ser de famílias distintas, incluindo orgãos como raízes, bolbos, tubérculos, folhas e flores.